domingo, dezembro 05, 2010

A meias



Bebo o meu café enquanto bebes
do meu café. Intriga-me que faças isso.
Se te posso pedir um
(se podes tomar um igual)
porque hás-de querer do meu?
Que
não. Que não queres. Escuso
de pedir
que não queres. Então
começo
um cigarro e tu fumas do
meu cigarro dizes
«tenho quase a certeza de
não acabar um sozinha» por isso
fumas do meu. Dá-te
gozo esse roubar
de
leves goles furtivos
dá gozo participar
do prazer que eu possa ter
contigo
(e entre nós)
dá-se agora tudo
a meias.

João Luís Barreto Guimarães

Imagem retirada do Google

3 comentários:

Fatyly disse...

é tão bom saber partilhar! Adorei!

Beijocas e um bom domingo

Observador disse...

A partilha é sempre um bom gesto.

Na foto ... a eterna dúvida: a chávena está meio cheia ou meio vazia?

Bjs

Paula Raposo disse...

Um poema delicioso!! Beijos.